sexta-feira, 5 de junho de 2015

Pastor Bullón - Testemunho



Pastor Alejandro Bullón contando um pouco sobre sua vida pessoal e de como todos nós somos seres humanos sujeitos a falhas e com "telhados de vidro".

Lindo testemunho.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Cinema, porque não vou



Inspirado no testemunho do Dr. Luigi Braga (CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR) resolvi postar alguns pontos que achei interessante sobre o assunto:

“Advertimos fervorosamente contra a influência subtil e sinistra do cinema, que não é lugar para o cristão. Os filmes encenados para apresentar visualmente e por sugestão os pecados e crimes da humanidade – homicídios, adultérios, roubos e males semelhantes – são em grande medida responsáveis pelo presente desmoronamento da moralidade. Apelamos aos pais, às crianças e aos jovens, para que fujam desses lugares de diversão e se abstenham de assistir a esses filmes que glorificam a representação e os atores profissionais. Se nos deleitarmos no grande mundo da Natureza que Deus criou, e no grande romance que envolve os seres humanos e a maneira como Deus atua em relação a eles, não nos sentiremos atraídos pelas pueris representações teatrais.” (Manual da Igreja 2008 Págs. 230,231)

“Devemos evitar tudo o que dramatize, apresente graficamente ou sugira os pecados e crimes da humanidade – homicídio, adultério, roubo e males similares, os quais em grande medida são responsáveis pelo desmoronar da moralidade. Em vez disso, devemos ter prazer no grande mundo da Natureza criada por Deus e no romance dos agentes humanos e das obras divinas.” (Manual da Igreja 2010 Pág. 169)


Que diferença existe então de eu assistir em casa ou no cinema?
A influência da mídia no nosso cérebro:
Mídia Escrita --> Temos 80% de defesa do nosso subconsciente com relação ao que entra em nosso cérebro, ou seja 20% vai para o nosso subconsciente sem nosso consentimento.
Música --> 50% vai direto para o subconsciente.
Televisão --> 40% de defesa do subconsciente. 60% passa direto para o nosso subconsciente sem que percebamos. Isso porque temos muitas distrações ao assistir um filme em casa e não existe um foco direto ao que está sendo visto. Além do ambiente não ser igual ao do cinema(tamanho da tela, 3D, som, etc.)
Cinema --> Poder de defesa do subconsciente no cinema é de 2% ou seja 98% do que você vê vai direto para o seu subconsciente sem passar antes por uma análise, sem que você se dê conta ou perceba, isso fica gravado em sua mente sem seu consentimento.

O problema é o lugar, não por ser um ambiente vulgar ou coisa e tal. Mas pela influência que ele tem no seu subconsciente.
Não é você que consegue barrar ou não, simplesmente a informação vai direto. Não adianta dizer isso não me afeta, aquilo outro não me atinge, eu sei distinguir a realidade da ficção. Seu subconsciente vai te mandar por vezes esse tipo de informação adquirida para você tomar decisões na sua vida.
Para ir ao cinema é um evento você se programa se prepara fica pronto para estar ali e dificilmente sai antes que termine.

Ainda existe outro fator importante chamado de "Anestesia de realidade" que é um choque que ocorre quando a informação é consolidada no seu subconsciente. Isso acontece quando a pessoa sai da sala do cinema e vai para o corredor do shopping, sai do ambiente escuro e se depara com luzes vitrines e tudo mais, esse choque de uma realidade para outra faz com que a informação que você viu se mantenha e seja gravada no seu subconsciente.

A mídia gosta de trabalhar muito com isso, de brincar com a nossa mente.
Lançam um carro novo e ele é feio mas depois que você passa ter informações desse carro e então você passa a gostar. Foi feito pesquisas onde uma mesma revista meses antes dizia bem de um veículo e meses depois mal.
Isso faz com que ocorra algo que é a "ânsia de ter e tédio de possuir".
E assim nos tornamos mais e mais consumistas.

Um exemplo de uma informação ruim vinda de um filme seria do filme Crepúsculo.
Vampiros dizem que viver eternamente é uma maldição mas ser mortal e morrer é uma benção. Viver eternamente para eles é chamado de veneno.
Aí a informação que o seu subconsciente manda pra você quando você tem um problema é essa, o que você acha?

No filme Crepúsculo em apenas uma frase diz o seguinte: “Pra que você vai viver eternamente se você pode viver 60, 70 anos de plenitude ao meu lado?”
Imagina depois o subconsciente te dizendo isso em um momento de problema na sua vida e aí? Ou quando você acha que é melhor curtir a vida? Você acaba deixando a eternidade de lado? Em segundo plano?
Esse é apenas um exemplo.

Minha conclusão:
Na minha opinião algumas coisas não seriam boas de se ver nem em casa com a família, o melhor é ir aos poucos cortando coisas que não trazem nada de bom para nós.

Essas colocações acima para mim isso é mais que o suficiente para que eu escolha não participar desse tipo de evento(ir ao cinema). Preciso ter uma mente clara e sadia para tomar decisões sábias em na vida, para poder ter uma comunhão melhor com o Deus. E para que ao ler a bíblia eu consiga entender de uma maneira muito clara o que Deus espera de mim.


Fontes: Conteúdo extraído do testemunho do Dr. Luigi Braga, pesquisas e documentos da Igreja Adventista do Sétimo dia.

sábado, 31 de janeiro de 2015

Adoração em todos os cultos - Mordomia Cristã

Esta é uma série de vídeos abordando o tema de dízimos e ofertas como um ato de adoração a Deus.

Participação de pessoas como o Professor, pastor e compositor Valdecir Lima, Pastor Reinaldo Siqueira que é especialista em Antigo Testamento e Emílson Reis que é mestre em teologia.


Apresentação Fabiana Bertotti.

PARTE 1


PARTE 2


PARTE 3


PARTE 4


sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

A Batalha Sonora - Ivor Myers (Dublado)

Ivor Meyers, pastor e músico americano, autor do livro "Novo Ritmo" (Casa Publicadora Brasileira), ex-integrante de uma banda de Hip Hop, fala sobre sua experiência de conversão e explica, com base bíblica e exemplos musicais, os problemas para o cristão no envolvimento com músicas e ritmos mundanos.


Segue abaixo o vídeo da palestra dublado:

A Batalha Sonora - Ivor Myers (Legendado)

Ivor Meyers, pastor e músico americano, autor do livro "Novo Ritmo" (Casa Publicadora Brasileira), ex-integrante de uma banda de Hip Hop, fala sobre sua experiência de conversão e explica, com base bíblica e exemplos musicais, os problemas para o cristão no envolvimento com músicas e ritmos mundanos.


Segue abaixo o vídeo da palestra legendado:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails